AUTOESTIMA-O Segredo Para As Coisa Acontecerem; O Que Você Precisa Para melhorá-la e turbiná-la. Uma reportagem que em algum momento nela você se verá; então é hora de agir…. Curtam, gente… Ao curtir e compartilhar vocês propiciam que outras pessoas tenham acesso ao que você está usufruindo. Valeu?

Posted On 22 de março de 2013

Filed under Autoestima, bem-estar, bem-estar, bem-estar e saúde, saúde, saúde da mulher, saúde do homem, homens e mulheres,Uma matéria exclusiva, ela mexerá com você, aborto, como praticar o aborto, citote, coleção, coleção aprendiz, livros, fascículos, esclarecimentos sobre doenças, jovem, destinado a jovens, cuidados, médicos doenças, consultas, dúvidas, coleção,, como acabar com o mau hálito, Complexo Onlyzzy , mal cheiro vaginal, combate ao mau chiro mal cheiro vaginal, higiente íntima da mulher, mulher cuidada, mulher saudável, concursos, corno de crespusculo, Uma matéria exclusiva, ela mexerá com você, aborto, com
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Comments Dropped leave a response

autoestima

Rômulo Soares Albuquerque

Autoestima- O Segredo Para As Coisa Acontecerem

Uma Reportagem Exclusiva!

Novas Perspectivas;

Conflitos; Dessa Vez Com soluções!

Uma reportagem imperdível sobre autoestima, recuperação da mesma, influência do aspecto sexual, da beleza e aparência. autoestima na adolescência, Influência financeira, e o melhor, como você potencializar sua autoestima.

Uma reportagem que o (a) ajudará em todos os momentos de suas vidas; em todas as relações na qual um ser humano está envolvido (a). Precursor do Livro " A Felicidade A Seu Alcance Sem Oba-Oba" de Rômulo Soares Albuquerque. " Autoestima é necessária da Lágrima ao Orgasmo".  

Gostar de si mesmo, acreditar em seu potencial, confiar em sua capacidade e respeito a si próprio são elementos básicos da para que possamos aproximarmo-nos de uma definição apropriada sobre autoestima. Pelos elementos supramencionados é possível ter uma pequena noção da importância dela. Entretanto, seu poder é ainda maior, aliás infinitamente maior do que se possa imaginar. A autoestima é um dos principais recursos à disposição do ser humano para que esse possa viver realmente bem. Basicamente, ela determina a maneira como as pessoas se relacionam com o mundo, com elas próprias, encarando os desafios da rotina diária e se protegendo ou se expondo em situações que exigem controle emocional intenso.

De acordo com a psicóloga Doralice Lima, a autoestima desempenha um papel fundamental na convivência familiar, no trabalho, no grupo de amigos e em equipes. "O movimento do mundo acontece porque pessoas que acreditam nelas mesmas, compartilhando ideias, por antes de tudo, crer em suas próprias ideias. Essas pessoas possuem autoconfiança, um fator que pode atrair e entusiasmar a sociedade além de promover mudanças profundas", explica.

Entenda por que a autoestima interfere tanto na sua vida e como desenvolvê-la, estimula-la em seu " EU" em sua vida, em suas ações e atitudes.

Antes de qualquer coisa é necessário que você tenha plena convicção de que a autoestima pode e deve ser desenvolvida, podemos essa sempre ser aperfeiçoada ao longo da vida. Naturalmente, seu grau pode ser ainda mais elevado se for estimulada desde cedo, ainda na infância. Porém, o fator não é determinante, segundo Doralice. "Para ter e manter a autoestima em alta não basta olhar só para si. A visão do que está em volta da sua realidade, ou seja, da sociedade, é muito importante. Se a visão é negativa e pessimista, certamente a impressão que você terá de si mesmo será ruim. E o ser humano tem capacidade para incorporar esta visão ao longo do tempo", diz a profissional. Em outras palavras, Doralice dissera que a formação na idade infantil de uma autoestima positiva colabora para que a pessoa a mantenha e a aperfeiçoe por toda a vida, mas da mesma maneira que ela pode vir a perder a autoestima ela pode conquistar, mesmo não tendo sido essa bem trabalhada na infância.

Da mesma forma que a autoestima pode ser adquirida aos poucos, a longo prazo, é importante ressaltar que ela é variável e nem sempre anda em compasso. Segundo pesquisas realizadas nos Estados Unidos, conduzidas pela Universidade de Dakota do Norte, ela se alterna em elevada e baixa, dependendo de um contexto ou situação, porém aqui será abordada maneiras de evitar essa oscilação, sendo imprescindível a sua consciência quanto à vulnerabilidade da mesma.

Entenda por que a autoestima interfere tanto na sua vida

Manter-o-sucessoUma pessoa bem sucedida e resolvida na profissão, por exemplo, pode ter uma vida pessoal caótica por causa de insegurança. Entendamos, antes de mais nada que o " bem sucedida" e o " resolvida na profissão" tem antes de tudo um caráter subjetivo. Aos olhos dos outros ela pode ser vista assim, mas aos seus olhos, não.

O levantamento norte-americano indica que por causa desta variação, aumentar a autoestima é um processo que precisa ser canalizado de forma coerente e consciente. Se o problema está no trabalho, o ser humano deve canalizar o aumento da autoestima para situações daquela realidade e não para a estética, por exemplo. Explicando melhor o resultado da pesquisa: se estou inseguro (a) no trabalho, se minha autoestima está frágil no campo profissional fortalece-la em outros fatores, como o da beleza estética, em relação à autoestima necessária profissionalmente, essa em nada me ajudará.

Melhorar a autoestima requer um mergulho profundo dentro de si mesmo. De acordo com especialistas, fazer uma avaliação do próprio comportamento e convicções, questiona-los e descartar aquilo que não traz harmonia para a vida é o primeiro passo para aumenta-la. Observe que não se trata de uma autocrítica. Insisto em dizer que a crítica, seja de terceiros ou de nós mesmos em nada e para nada contribui. O que sugere-se é que você faça uma auto avaliação, ou mesmo com ajuda profissional. Essa avaliação deve possuir fundamentalmente um caráter construtivo e positivo.

"A tarefa não é das mais difíceis, acredite, mas exige um trabalho contínuo para modificar e romper padrões comportamentais que, às vezes, foram usados por quase uma vida inteira. "Celebrar as conquistas, fazer exercícios, manter o foco nos aspectos positivos da vida e examinar o passado, percebendo os erros e acertos são formas de aumentar a autoestima e dar mais sentido à existência, o erro é o maior aliado seu na busca de conquistar ou aumentar suar sua autoestima. Se ele não existisse teríamos uma situação adversa, pois nada poderia ser feito para mudar. A questão fundamental é como encarar os erros por nós cometidos; sob qual perspectiva resolver-se-á agir em relação ao mesmo.

autoestiamaLivros sobre o tema não faltam. Mesmo uma simples leitura nos manuais de autoajuda são positivos, pois sinaliza que o indivíduo está tentando, de alguma forma, ser mais feliz consigo mesmo. A atitude, o posicionamento diante da questão é um reconhecimento do problema que está a afeta-lo e a demonstração de querer enfrentá-lo. Isso é extremamente positivo.

Saiba como recuperar e aumentar a autoestima de forma natural

Exercícios, acupuntura e fototerapia podem ajudar a reconquistar o bem-estar

Você já parou para pensar qual foi a última vez que você reservou um tempo para se cuidar e tirar um dia inteiro para chamar de seu? Este dia já existiu ou ainda é um sonho distante? Atropelados pelos afazeres do cotidiano, muitos acabam esquecendo do próprio bem-estar. Esquecemos que somos bonitos, que temos dons, amigos ótimos e mergulhamos em um mundo de pessimismo. E se não damos valor ao que é bom, o caminho para ficar deprimido é curto.

De acordo com o psiquiatra Maurício Lima, a depressão deve ser tratada. Há casos que só medicamentos têm o poder de tirar um paciente de um quadro clínico em estágio avançado, segundo o profissional. "Porém, quase na mesma proporção dos pró-remédio existe uma grande parcela da população que busca ajuda em outras formas de recuperar o bem-estar emocional e, consequentemente, o amor próprio e a autoestima", pondera o psiquiatra. Eu, com meus humildes conhecimentos ponderaria ainda mais, pois a depressão ou o estado depressivo do indivíduo pode ser uma consequência da baixo autoestima; assim, como, já que se abordou em formas alternativas de bem-estar, temos na fruta Maná-Cubiu, encontrada no sudeste da Amazónia um alimento Fitoceutico com ação comprovada de ser mais potente do que qualquer fármacos no combate à depressão. A Maná-Cubiu possui reconhecimentos científicos advindos do estudo de mais de 18 anos sobre seus benefícios. A fruta, pela localização da mesma, é complicado de se encontrar, mas Extratos da mesma em cápsulas pode e deve ser adquirida por todos, pois quanto mais se estuda a fruta mais se espanta com os benefícios que a mesma traz ao corpo humano como um todo. A fonte mais segura de colher informações sobre o Maná-Cubiu e onde comprá-lo com segurança é escrevendo para: manacubiu@outlook.com

Dicas para combater a depressão

A auto-observação, um exercício mental bastante difícil no começo, pois exige que se preste atenção e veja o tempo todo a forma de pensar e sentir, como se estivéssemos fora do corpo, assistindo a nós mesmos em um programa de TV é uma delas. Assim, é possível notar o que fazemos inconscientemente para nos auto sabotar e quais as razões que nos levam a isso, até então imperceptíveis. Observe que " o pensar e o sentir" não é reviver momentos tristes ou que possam ter colaborado para o Estado Depressivo, mas a forma como coloca-se os problemas do cotidiano contra nosso ser. Está atento a isso para não reviver o sofrimento duas vezes é fundamental.

Atitudes consideradas naturais, como praticar exercícios, seja ao ar livre ou numa academia, também são recomendadas. As atividades físicas liberam endorfina, que faz bem para o cérebro e causa sensação de bem-estar, se possível, procure fazer exercícios acompanhada de um amigo (a) colega, pessoa que possa motivá-lo (a) para que os faça com Constância. Lembre-se que esse exercício não necessária ser forçado, levantando pesos ou correndo como Forest Gump. Caminhadas regulares já propiciam a liberação de endromina que necessita.  

meditaçãoPraticar a meditação, outra ótima aliada do bem-estar, ajuda a promover mudanças na maneira de pensar pois diminui a ansiedade. Aos que ficam tristes em dias sem sol, há a fototerapia como alternativa. O paciente é colocado com os olhos perto de uma lâmpada fluorescente de pelo menos 2,5 mil lux (unidade de medida de luz), em sessões de 30 minutos. Nesse caso, é importante que o aparelho não emita raios ultravioleta. Aqui você observa nitidamente como é importante o autoconhecimento. Se os dias de chuva lhe fazem mal. Aconselho, quando retornares ao estado positivo, alegre, com autoestima equilibrada trabalhar fatores como esse, tornando-se menores suas oscilações de humor de acordo com fatores externos, pois o foco em se ter uma autoestima positiva e crescente é fazer com que ela sofra a menor incidência possível de fatores externos.

Se submeter a técnicas como acupuntura também é válido. Os efeitos de alívio surgem entre 5 e 15 aplicações, diz o especialista, que também recomenda a técnica aos pacientes. Segundo o psiquiatra, existem vários métodos para recuperar o amor próprio. "O desespero em ficar bem logo, de uma hora para outra, não ajuda. A busca quase obsessiva por medicamentos ansiolíticos e antidepressivos também não. Eles são prescritos e ajudam a tratar doenças graves, como depressão e crises de ansiedade, mas não é acupuntura primeclin (1)uma fórmula mágica para a vida inteira", afirma o médico. Entender seu próprio comportamento e não se mutilar com julgamentos ou avaliações severas são passos importantes para manter o equilíbrio e jamais precisar recorrer às fórmulas químicas ou qualquer outro método. Se você observar, estamos buscando alternativas para quem está com baixa autoestima. A Acupuntura libera também os chamados " ansiolíticos naturais" produzidos pelo próprio corpo que induzem-no a uma sensação de bem estar incrível.

Esperar um bebê confere às mulheres um ar radiante e beleza. No entanto, durante o período de gestação, elas também passam por aprovações. As emoções ficam fora de controle, os seios passam a doer, pernas e pés ficam inchados, se ganha peso e a coluna sofre. Isso sem falar dos medos e angústias. O corpo passa por uma metamorfose e a mente também. E não basta o parto chegar. As sensações e sentimentos controversos podem se estender por meses. A lista de contratempos é grande. Porém, pode ser encarada numa boa com pequenos cuidados durante o período.

Transformar a espera pelo filho em uma experiência amarga não é exatamente o que as mulheres querem. "A ansiedade e o excesso de preocupações são sintomas normais. A autoestima pode sofrer um abalo e, inclusive, ficar ameaçada. Mas, em primeiro lugar, as mulheres devem saber que estas oscilações são extremamente normais", explica a obstetra Daniela Maeyama.

Aprenda como manter a autoestima em dia durante a gravidez

mulher gravidaA variação de humor durante a gravidez existe sim. Os culpados pela irregularidade dos sentimentos são os hormônios. "A oscilação hormonal é muito grande no período e isso reflete na mudança brusca de comportamento", explica a profissional.

A gangorra emocional vivida no período de gestação não deve assustar, segundo a psicóloga Doralice Lima. As transformações do corpo afetam, naturalmente, as emoções e o comportamento feminino. "O recolhimento às vezes é necessário para evitar a sobrecarga de sentimentos. Mas para que ele ocorra sem estresse, cabe a grávida sinalizar que está passando por um momento de vida em que as cobranças internas como ‘serei uma boa mãe?’ estão muito presentes. Conversar com o parceiro e explicar às pessoas mais próximas pode ajudar a gestante a se sentir menos confusa", explica Doralice.

Aprenda como manter a autoestima em dia durante a gravidez

Desvie das armadilhas

A oscilação hormonal, as mudanças no corpo e a certeza de que ter um filho é um desafio para a vida toda abrem precedentes para que as grávidas entrem em conflitos emocionais. Inevitavelmente eles abalam a autoestima. De acordo com a psicóloga, estes estágios durante a gestação podem ser amenizados. "A instabilidade emocional é latente durante os nove meses e pode se estender depois do nascimento da criança. Lidar de forma menos negativa com os inconvenientes e não se preocupar em exagero é a melhor forma de amenizar e harmonizar a gravidez".

Se cobrar menos, não exigindo respostas para tudo, diz a psicóloga, ajuda também na prevenção de uma possível depressão pós-parto.

Ao alimentar os medos a mulher sente-se menos preparada para ser mãe e a sua autoestima despenca, levando a quadros de depressão. Segundo Doralice, a pressão interna e o peso da responsabilidade podem ser diluídos com pequenas atitudes, como não deixar para a última hora a compra do enxoval da criança.

"Muitas mulheres decidem lidar com as responsabilidades que vão assumir somente nos últimos meses de gravidez. É um erro, pois justamente neste momento já existe um esgotamento físico e ter de encarar pequenas tarefas pode virar um tormento", explica. A chegada do bebê deve ser um motivo de alegria. "Agir com tranquilidade e não se deixar tomar pelo pânico é a melhor receita", finaliza.

Pode-se concluir esse tema partindo-se de uma atitude positiva por parte da gestante. – Qual seria? – Existem momentos em que nada adianta os pensamentos " Há como seria bom se", " Ah, se pelo menos o pai dele ajudasse"; " Há se pelo menos as pessoas colaborassem mais um pouco". Observe um fator constante em todas as frases mencionadas: você, em todas elas está vulnerável ou dependente de terceiros. Se houver ajuda ótimo, se o pai se faz presente, maravilhoso, mas o pensamento e o foco deve ser " VOCÊ". Você mulher é mais forte do que nós homens; mais destemida, simultaneamente mais doce, amável e bem menos violenta. A gravidez, mexe com hormônios, mexe com o psíquico, emocional, com seu corpo, mas, antes de tudo lembre-se que ela é passageira e quanto melhor você lhe dar com ela melhor será para si e para seu filho. Mantendo-se emocionalmente controlada (evitando pensamentos como os acima mencionados), propiciará menos impaciência, menos coçar partes do corpo que estão elasticidade, o que evitará estrias. Aproveitar e destinar algum tempo para que ao ter seu lindo filho, pois a criança é e sempre será 70% ou mais ligada à mãe, você cuide com mais atenção de seu corpo. Existe um produto no combate a estria com benefícios constatados cientificamente até para fazer as estrias desaparecerem, imagine preveni-las, o que possui comprovação científica chama-se Óleo de Argan Lyzzy oi Oil Argan Lyzzy, podendo você buscar maiores informações sobre escrevendo para: oleodeargan@hotmail.com.br. Na época da gravidez, seja um pouco egoísta por você e pelo filho que trazes no ventre. Permita-se maior atenção de si mesma.

Apego a bens materiais sinaliza autoestima em baixa; Crianças e adolescentes são mais vulneráveis ao mal

compra-crop_12847_21430Ter uma vida confortável e sem preocupações financeiras é um desejo quase universal. No entanto, a vontade exacerbada em ter roupas de grife, equipamentos eletrônicos de última geração, produtos e serviços caros e luxuosos não segue a mesma lógica e podem sinalizar um problema: autoestima em baixa. O mal da sociedade moderna, em que o status é valorizado pelo consumo e exclusividade, atinge principalmente crianças e adolescentes, segundo estudo feito nos Estados Unidos.

De acordo com os estudiosos, a autoestima é um fator essencial no apego aos bens materiais. Crianças e jovens com baixa autoestima valorizam suas posses muito mais que as crianças confiantes. "Possuir coisas é um amuleto no reforço da autoestima. Os bens materiais ajudam a neutralizar a ansiedade e as inseguranças que sofremos em diferentes graus no dia a dia. Quanto mais temos, desencadeamos nas pessoas sentimentos que misturam admiração e inveja. E este é o componente principal do narcisismo", explica o psicólogo e psicanalista Claudio Vital.

Apego a bens materiais sinaliza autoestima em baixa

Valores invertidos

O estudo aponta que o apego a bens materiais, como ursinhos de pelúcia, dinheiro e artigos esportivos, é mais valorizado que estar com os amigos, ter sucesso nos esportes ou ajudar o próximo, entre as faixas de 8 a 9 anos e 12 e 13 anos, mas cai a a partir dos 14 anos, quando os motivos para a diminuição da autoestima estão mais relacionados ao período de transformações do corpo e valorização social entre amigos. "Um indivíduo que consegue ter sucesso passa a ser visto como alguém com capacidade superior e por isso ganha o respeito do grupo. Assim, os bens se tornaram a base para a aprovação e para a autoestima", analisa Claudio Vital.

De acordo com o profissional, este comportamento explica o motivo para que tantas pessoas busquem desesperadamente mostrar sinais de riqueza aos outros, ainda que não possuam recursos. Segundo o médico, o comportamento demonstra pouco desenvolvimento pessoal e imaturidade.

É extremamente positivo que você compreenda que " bater de frente", " ir de encontro", " propiciar conflitos" em nada ajudará. Nós períodos supracitados, procure reforçar o carinho e o diálogo natural com seus filhos. Sabe-se que cada vez se possui menos tempo, porém, saber definir o que é prioridade ou não, o que deve ser priorizando e aprender a administrar o tempo, assim como aprender a arte de usar palavras que colaborem, uma vez que o espaço de tempo é menor é fundamental. Aqui, aconselha-se o Livro: " Palavras Mágicas" destinado aos pais que passam por esses momentos e os que o antecedem, pois se você antecipa e os vacina, o impacto negativo da sociedade de consumo será no mínimo, menor. O livro " Palavras Mágicas" assim como o livro: " Você realmente dialoga com seu filho?" Podem ser adquiridos diretamente com a editora " JUVENTUS". E-mail de contato é: editorajuventus@outlook.com Como você tem observado, temos o tempo todo sugerido algo para que essa leitura não se perca, para que ela de fato tenha colaborado para com você. Os livros sugeridos são pequenos, lidos facilmente, porém abordam diretamente o assunto. " não enchem linguiça". São objetivos, explicando como deves agir mediante situações e explicando o porquê. Eles tem revolucionado e acrescido muita coisa aqueles que possuem o tipo de problema em que se encaixa. Somente sugere-se o que realmente colaborará com você.

Prevenção contra o narcisismo

Especialistas são unânimes em eleger o consumismo como um dos grandes vilões da vida moderna. Além de instabilidade financeira, o mal pode interferir na saúde psíquica das pessoas, levando os indivíduos a um quadro depressivo. De acordo com Claudio Vital, os cuidados para evitar o dano devem começar ainda na infância. Ensinar as crianças que não podem ter tudo evita que elas venham a se tornar adultos narcisistas.

Segundo o psicanalista, é comum ceder aos caprichos dos filhos e confundir a atitude com amor. No entanto, ele alerta que as crianças, na verdade, pedem atenção e reconhecimento dos pais, ou seja, algo que pode ser dado de forma natural e que não gera gastos. Orientar e demonstrar carinho ajuda a desenvolver a autoconfiança e consequentemente aumenta a autoestima, segundo o profissional. A manutenção do narcisismo das crianças vai refletir na vida adulta. "Educar é a melhor jeito de não formar um adulto arrogante, com ego inflado", finaliza Claudio.

narcisismoAqui mais uma vez sugere-se “Você realmente dialoga com seu filho?" da Editora JUVENTUS, assim como o livro: " Narcisismo; é preciso destruí-lo". Estudos apontam que provem do Narcisismo o comportamento violento e homicida de pessoas que se auto intitulam atletas acima do bem e do mal. Esse é o caso de muitos homens que passam horas todos os dias na academia, reverenciando o próprio corpo, sendo apaixonado por ele. Na medida em que existe admiração, culto, e fascínio pelos que é desenvolvido em seu corpo, o que acaba lhes sendo atraente é um corpo semelhante, ou seja, masculino. Porém sua " Psique" trabalhada da seguinte forma: O Homem deve ser cultuado, quem não admira a beleza masculina não faz jus ao que possui. Destarte despertam ódio pelos homossexuais afeminados, que querem ser " mulher", normalmente contra aquele que age de forma passiva no relacionamento homossexual, já que nesse perfil, que acabou levando o nome de " BARBIE" não existe necessariamente um passivo. Ambos são Ativos e passivos sexualmente. (Ambos penetram o parceiro como pénis e são por eles penetrados). Esse ódio contra quem tem o corpo masculino e o " despreza", em suas concepções, merecem sofrer, apanhar e até mesmo morrer, pois o Narcisismo os cega de maneira tal, que sentem-se afrontados perante a existência deles.

Recupere a autoestima depois do fim de um relacionamento

Há poucas coisas que superam a dor do término da uma relação a dois. Ainda mais quando o ponto final é inevitável após uma traição ou um "eu não te amo mais". Apesar da distância entre a separação e a volta por cima ser longa, é possível encarar o momento com serenidade e espantar a tristeza para voltar a ter uma vida social e amorosa depois do trauma.

A falta de lealdade do parceiro ganha dimensões diferentes em cada situação. "Superar uma traição é muito difícil, mas depende do histórico e da dinâmica da relação e também do significado que representa para cada um. Em alguns casos, ela se torna um elemento de estímulo de uma relação ‘morna’ e sem grandes impactos. De toda forma, supera-la implica em crédito e desejo de investir em uma relação, buscando compreender o processo e o papel de cada um neste caso", explica doutora em psicologia social Maria Izabel Calil Stamato.

A traição é uma constante cada vez mais frequente em nossa sociedade. Não vincular à traição do outro ou o " eu deixei de te amar" a um fracasso seu, é o ponto de partida. Sabe-se que a primeira reação é a de raiva, a vontade de explodir, e depois, variando de acordo com perfis diferentes, buscar reconstruir a vida ou aceitar a situação. No primeiro, muita perdoam, é sim, menos difícil em uma sociedade extremamente machista para a mulher aceitar, não querendo dizer, sobremaneira, que não existam inúmeros casos do homem perdoar ou " fechar" os olhos. No segundo caso, o " eu deixei de te amar" também as pesquisas mostram que a incide sobre a mulher o aceitar ser a outra, ou o se contentar em ter de alguma forma o parceiro, nesse caso é bem caracterizada a baixo estima feminina. Os livro "Perdão real da Traição" assim como " Traição, banal e comum entre ambos os sexos" é indicado a todos. Mas, para quem, em especial está sofrendo, o mais indicado seria: " A Outra Face Do Espelho", esses três livros são da Editora " Sickheart", em Português algo como Dor Em Nossos Corações. Como adquirir escreva para:editorajuventus@outlook.com

fim-de-relacionamento-2Momento traumático

Para seguir em frente depois de um rompimento traumático é necessário desenvolver objetivos para se fortalecer e se curtir para estar apto a um novo envolvimento. De acordo Maria Izabel, o tempo para toda essa transformação é definida pela própria pessoa e depende de uma série de fatores que não estabelecem medidas de tempo convencionais. "Um ano, um mês, um dia? Não há prazos estabelecidos para se recuperar de um término de relação", explica a psicóloga.

De acordo com a profissional, os primeiros passam para dar "adeus" à melancolia é investir em si mesmo. "Sem dúvida, ser preterido sempre traz prejuízos à autoestima, pois, após o momento inicial de raiva e explosão contra o outro, a pessoa tende a atribuir a si mesma a responsabilidade pela perda, dando ênfase aos aspectos negativos de seu comportamento e se sentindo um ‘lixo’ por não ser capaz de manter um relacionamento", explica.

É possível encarar o fim de um namoro com serenidade e voltar a ter uma vida social e amorosa depois do trauma

As consequências da perda de confiança também se potencializam por conta do universo social que vivemos. "Lembrando que as intensas cobranças e exigências da sociedade para que todos sejam desejáveis e invejáveis, o que significa ter um relacionamento perfeito e feliz, acabam intensificando a negatividade da autoestima e ampliando o sofrimento de quem é abandonado", ressalta a especialista.

Dicas para enfrentar o fim

Assim que o término do namoro ou casamento acontece, seja por traição ou qualquer outro motivo, comece a agir. Segundo Maria Izabel, o ideal é tentar contar o término para parentes ou amigos. Dessa forma você consegue assimilar dentro de você mesmo os lados negativos do relacionamento e sentir a necessidade de mudança.

Mania entre boa parte das pessoas e péssimo para a "reabilitação", voltar a falar com o ou a ex é considerado por alguns especialistas como uma armadilha. Espere, ao menos, dois meses para que seu coração volte aos trilhos.

Outra saída que se torna valiosa nestes casos é simples: mexa-se. Procure fazer atividades que reúna as pessoas que possuem os mesmos interesses que você. Faça exercícios, o que libera endorfina (que permite trazer bem-estar), e outros programas que multipliquem a alegria. Aproveite e se jogue, inclusive, em atividades que seu ex não gostava de fazer.

Após perceber os primeiros sinais de mudança dentro de si mesmo, note que está na hora de anunciar a novidade e altere alguma coisa no exterior. Mude a ordem dos móveis da casa, corte e pinte o cabelo, use aquele esmalte que você tanto queria e aposte em visuais que ressaltem sua beleza. Cuidar de si mesmo faz um bem incrível, principalmente neste momento.

Caso em algum momento sinta raiva do que aconteceu grite, extravase com exercícios e canalize essa energia para algo útil, como cuidar da própria casa. "O término de um namoro representa uma perda afetiva e, neste sentido, a pessoa que é preterida vive um processo de luto e de intenso sofrimento. Entretanto, não há fórmulas prontas para superar situações de perda, mas um elemento fundamental sempre é compreender o que esta perda representa na vida da pessoa, seu significado, trabalhar para transformar a situação em um processo de crescimento, que favoreça futuras relações", diz Maria Izabel.

libido baixaFalta de desejo sexual interfere na autoestima

Durante muito tempo o prazer feminino nas relações sexuais foi preterido ou simplesmente ignorado. Felizmente o ponto de vista mudou. Além de a mulher reconhecer que é tão merecedora do orgasmo quanto o homem, antigos tabus sobre a sexualidade feminina estão sendo revisitados. A frigidez é um deles. O mal não trata-se apenas da falta de prazer feminino sem motivo aparente, como no passado já foi encarado. O problema também não é um inconveniente sem cura. De acordo com a ginecologista Luciana Rocha, de São Paulo, frigidez é um termo incompleto para definir a inibição do desejo feminino.

O distúrbio sexual se caracteriza pela diminuição da libido e ausência de orgasmo e, segundo a especialista, pode abalar a autoestima das mulheres que sofrem com a falta de prazer nas relações sexuais.

Entenda como a falta de desejo sexual interfere na autoestima

mulher q"Existem as mulheres que não conseguem encontrar o ponto máximo de uma relação sexual em situações específicas de incômodo ou cansaço. Por outro lado, há quem já tenha encontrado o clímax durante um período da vida, mas, por algum motivo, parou de sentir ou apresenta dificuldades de se entregar a uma relação. E, por fim, há um grupo de mulheres que nunca vivenciou a experiência do orgasmo", define a médica.

Segundo a profissional, há duas causas básicas que impedem a mulher de atingir o orgasmo. A primeira e, de certa forma mais fácil de tratar, é a orgânica. "Distúrbios de hormônios podem influenciar durante o momento mais íntimo da relação, o que acontece com a minoria delas", explica a ginecologista. Nestes casos, apenas a reposição destas substâncias no corpo resolvem a ausência do prazer intenso.

O outro fator que atrapalha o desempenho sexual está ligado ao emocional e afetivo. Estes demandam mais tempo para resolver e exigem um estudo aprofundado do histórico da paciente.

Por conta da dificuldade, algumas mulheres ainda resistem a procurar ajuda médica, analisa a ginecologista. Há ainda a necessidade de aprender a respeitar certos momentos da própria vida, que inibem o apetite sexual. Segundo Luciana, os primeiros meses de uma gestação e o pós-parto bagunçam a produção de hormônios, o que impedem muitas vezes o desejo de sexo.

No caso das mulheres que se tornaram mães, por exemplo, a produção dessas substâncias acontece de forma diferenciada porque o corpo feminino entende que é o momento de cuidar do bebê e a ovulação – e, assim, os hormônios que estimulam o sexo – passam a ser algo secundário.

Tratamentos para o prazer

Para conseguir apimentar uma relação sexual as mulheres possuem uma arma poderosa e que nem sempre conhecem a fundo: o próprio corpo. Conhecer os pontos mais sensíveis, diz a ginecologista, ajuda a relaxar na hora certa e permite o encontro com orgasmo.

Soluções não faltam para quem quer encontrar o prazer na relação, mas parte da solução pode estar no parceiro. "Muitas mulheres não cogitam a possibilidade de pedir para que o parceiro faça mudanças na rotina sexual do casal. Elas sentem tanta vergonha que preferem não falar. A baixa autoestima pode sabotar algo que poderia ser revisto com uma simples conversa entre parceiros", complementa Luciana. Segundo a especialista, o parceiro também pode ajudar na busca do prazer e ambos, de maneira íntima, têm a chance de encontrar juntas zonas do corpo mais sensíveis.

As (os) médicas ouvidas, todos sem exceção, tanto para o homem como para a mulher com falta de libido em geral, recomendam:

1- Pela dificuldade de tempo e da própria " vergonha" do Homem ou Mulher procurarem ajuda para resolver esse problema, o da falta de libido e/ou desejo sexual, sugerem as consultas On-line com Psicólogos ou principalmente Psicanalistas via Internet. " Hoje, observamos maior rendimento do profissional e do (a) paciente nesses tratamentos, do que nós convencionais, de corpo presente. Os resultados são mais rápidos, o acompanhamento médico mais eficaz, e, o psicológico de quem está sendo tratado se fortalece. A Clínica de Credibilidade nesse Setor, seja na cura de traumas, ou traumas advindos da disfunção sexual, ou propriamente a disfunção sexual pode ser contatada e retirada dúvidas a partir do e-mail: ctihmap@outlook.com CTIHMAP – Clínica De Tratamento Intensivo De Homens e Mulheres Que Necessitam de Apoio Psicológico. Mesmo que os horários estejam, de acordo com o turno, lotado, optem por um horário alternativo, pois o quanto vocês melhorarão será perceptível apartar da primeira consulta.

2- Uso de Afrodisíacos verdadeiros: A medicina Tradicional vem se curvando ao que a milénios é utilizado de forma Empírica por culturas bem mais antigas, como a Chinesa, por exemplo (3.000 anos). Porém muitos se valem dos benefícios reais e superiores da Medicina Chinesa, fitoterápicos, Fitocêuticos, Cosmecêuticos, para venderem ilusões, mentiras. Assim, caso desejem o aumento da libido de forma natural e sadia escrevam para naturalsaudesexual@outlook.com

O que não se pode é, com tantas alternativas não se fazer nada. Então, vamos, agora, marquem uma consulta, solicitem informações, busquem saber sobre produtos naturais que aumentam a libido masculina e feminina, mas não deixe que a tristeza, o acomodamento tomem conta de vocês.

Excesso de acne pode atrapalhar a autoestima e provocar depressão

adolescenteProblema de pele pode virar um pesadelo com efeitos emocionais devastadores

A adolescência é um momento conturbado. A ebulição dos hormônios, a necessidade de fazer parte de um grupo e ser aceito pelos colegas, as dúvidas em relação ao futuro, as primeiras descobertas amorosas e sexuais. Tudo isso já seria o suficiente para deixar os jovens aflitos. Mas tem mais. É nesta fase da vida, em que a preocupação dos adolescentes com a imagem está em plena efervescência, que a acne e os cravos surgem.

A mais comum das doenças de pele aparece quando os folículos pilosos que se encontram sob apele ficam obstruídos, provocando as espinhas, que aparecem no rosto, nas coisas, no peito e ombros e no pescoço. O resultado do surgimento da acne, tanto na adolescência até o início da vida adulta, pode virar um pesadelo com efeitos emocionais devastadores.

De acordo com um estudo feito pela Universidade de Miami em parceria com Acne Rosacea Society, nos Estados Unidos, a autoestima de adolescentes e jovens adultos despenca por causa do problema dermatológico. Além disso, a pesquisa revela que eles desenvolvem grande dificuldade de interagir com outras pessoas, o que reflete nos relacionamentos também. No grupo que serviu de base para conduzir a pesquisa, os afetados pelas espinhas se sentiam "inúteis" e com pouco amor próprio. Sendo que meninas tinham ainda mais tendência a depressão e baixa autoestima do que os garotos.

De acordo com o dermatologista Paulo Zeminian, a questão é mais profunda do que parece. "Não se trata apenas de um incômodo, de uma questão estética. Os pacientes que sofrem com acne podem desenvolver depressão, pois justamente estão passando por um período da vida em que eles precisam fortalecer relações e eles se sentem muito inseguros expostos", diz o especialista.

A opinião médica é endossada pelo estudo norte-americano, que apontou que os jovens com acne são mais infelizes e solitários se comparados aos adolescentes que não passam pelo problema. "Às vezes é necessário um acompanhamento psicológico, inclusive com o acompanhamento dos pais. É nesta fase que a autoestima está sendo constituída e fortalecida", explica Zeminian.

Espinhas x Autoestima

Segundo o levantamento feito nos Estados Unidos, o principal motivo para jovens com acne terem a autoestima rebaixada deve-se a visibilidade do problema de pele.

Os pontos avermelhados e purulentos das espinhas desviam o foco de quem os olha para aspectos menos interessantes do indivíduo.

"A sensibilidade de um adolescente com muitas espinhas é atacada. Se ele tenta tratamentos sem sucesso, naturalmente passará a evitar o contato social. A baixa autoestima deste grupo de pessoas afeta o estado emocional e a sensação de estar sempre em desvantagem é, muitas vezes, permanente", analisa o dermatologista.

Buscar um tratamento médico é o mais recomendado. "Há antibióticos, remédios e outras formas de amenizar a proliferação das espinhas", explica Zeminian. Segundo o dermatologista, o cuidado com a pele é essencial, mas pode exigir um esforço extra. "Para tratar casos mais intensos é necessário toda uma mudança de estilo de vida", diz.

Para a classe médica ler sobre o tema pode causar efeito revés, fazendo com que quem tem acne e espinha aprofundem-se na depressão de vez. Aqui o aconselhado é postar-se a par das novas tecnologias e substâncias de combate eficaz à Acne. Não adianta ficar comprando tudo o que a Indústria oferece como milagroso, cada caso é um caso. Obter-se-á resultados fantásticos através das sugestões feitas pela CAACEA – Centro De Atendimento a Adolescentes no Combate Eficaz à Acne. Contato: caacea@aol.com Se possível, para que não aja perda de tempo, envie as informações sobre as circunstancias que apareceram as ações com maior incidência, alimentação, emocional, no caso de garotas se essas aumentam com a menstruação e qual o percentual de aumento; o que se tem utilizado para combatê-las, enfim, toda informação que vocês julgarem importantes; no caso dos garotos e garotas como se dá a higienizarão após a masturbação.

Superar a timidez ajuda a aumentar a autoestima

timidoA timidez é um sentimento inato do ser humano. Da infância à vida adulta – e até mesmo na terceira idade – ela não escolhe o momento de aparecer. Seja numa festinha de aniversário, em um palco diante de uma plateia, ou na abordagem de uma paquera, ela surge de forma avassaladora e paralisante. Sua definição consiste em um medo e um receio exagerado a se expor e, consequentemente, receber algum tipo de julgamento. "Quem sofre de timidez, seja ela introspectiva ou a do tipo que até se expõem para dissimular a real sensação de medo, tem uma tendência grande de supervalorizar pequenos deslizes. Os tímidos têm a necessidade de passar uma imagem positiva de si o tempo todo", explica a psicóloga Renata Plácido, de São Paulo.

Mais sobre Acne: Acima, o que fazer!

De acordo com a profissional, a inibição em fazer algo considerado corriqueiro, como se relacionar, paquerar e expressar o que sente está ligada ao sentimento de competência. "A percepção negativa do que acreditamos ser, ou seja, a nossa autoimagem, pode distorcer a realidade. A consequência disso é a retração dos sentimentos e das atitudes", explica a profissional.

Entenda a ligação entre timidez e autoestima

Um tímido supervaloriza os riscos – reais ou imaginários. Toda situação nova é assustadora. A preocupação em passar uma boa imagem suprime a velha máxima de que "errar é humano", explica Renata. "O grau de exigência dos tímidos é alto e por isso eles apresentam dificuldades para fazer atividades simples. Há um medo excessivo em parecer ridículo ou ser ridicularizado. Esta é uma relação, em boa parte, relacionada ao autoquestionamento da sua competência", diz.

A necessidade de se sentir querido e amado é desenvolvida ainda nos primeiros anos de vida, assim como os sentimentos de segurança e autoconfiança. Segundo a psicóloga, este conjunto de sentimentos é base para o desenvolvimento da autoestima. Se ela está em equilíbrio, a facilidade de conquistar e receber afeto, de perdoar, de ter um entendimento das frustrações é maior. "Ter consciência de suas limitações e fragilidades é um grande passo para o autoconhecimento. Quem tem baixa autoestima, como os tímidos em grande maioria não lidam naturalmente com rejeição e frustrações. Basicamente eles encaram como algo pessoal e não como uma situação que deve ser relevada", explica Renata.

A timidez impulsiona o desconforto e consequentemente detona a autoestima. A preocupação com a avaliação das pessoas, a falta de coragem para assumir riscos e até mesmo os próprios desejos faz com que os tímidos interpretem situações de formas equivocadas e ameaçadoras. "Eles perdem a autonomia e não raro precisam ser amparados por algo ou alguém para se sentirem seguros", afirma.

O Livro: " Tímido, eu?" É uma referência nessa relação explosiva de timidez e autoestima. Se você observa ter um amigo (a), parente, ou para si própria, constatarás a magia envolvente de como o autor aborda esse tema. Ele pertence a Editora Brasil: editorajuventus@outlook.com

Vale ressaltr que hoje se dispõe de medicamentos que combatem qualquer caso, por mais grave que o seja de Acne. O Que não se pode é se acomodar!

Combata o medo

De acordo com a psicóloga Renata Plácido, deixar de ser um tímido instantaneamente é praticamente impossível. O primeiro passo é encarar pequenos desafios de exposição.

Se impuser, sustentar opiniões, agir com autonomia e menos dependência e, principalmente, não deixar de fazer algo por medo. "Há tímidos expansivos aos montes. O fundamental é não perder oportunidades, sejam elas de trabalho, nas relações pessoais e no convívio com amigos. A ideia é tentar agir com mais confiança e sem cobranças injustificadas", finaliza.

Ciúme sinaliza baixa autoestima e pode detonar relacionamentos

Saiba como identificar o inimigo e aprenda a controlar as crises

Após cenas de ciúme, de perseguição e alguns escândalos, o que era para ser um caso de amor ou de companheirismo termina em desentendimento e brigas. Além de essas cenas vivenciadas serem dignas de roteiros de novela, o ciúme é um dos fatores mais comuns que desestabilizam um relacionamento. De acordo com a psicóloga Doralice Lima, este sentimento é comum como a tristeza, a alegria e a raiva, mas pode fugir das barreiras do que seria normal quando ele protagoniza uma relação e se torna patologia. De acordo com a profissional, o ciúme em exagero nada mais é do que um sinal de que a autoestima está em níveis baixos.

Entenda o vilão

No relacionamento amoroso, a vontade sem limites de querer controlar o parceiro ou parceira, o costume de fantasiar situações e apenas viver em função destas ilusões são alguns dos sintomas do ciúme doentio, motivo que sufoca uma relação e coloca um ponto final ao namoro ou casamento.

Ciúme sinaliza baixa autoestima e pode detonar relacionamentos

"O passado do paciente ciumento em excesso pode contribuir para sua patologia", explica o psiquiatra Maurício Lima. Segundo o profissional, pessoas que já sentiram na pele a infeliz sensação de traição tendem a ser desconfiadas, uma vez que temem que a dor se repita. Além de o ciumento sofrer com a situação, ele pode agredir o outro verbalmente, ou até mesmo partir para a agressão física – comportamentos que também ajudam a definir os níveis de compulsão. "Essas pessoas também convivem sempre com a ansiedade, depressão, insegurança, humilhação, culpa, desejo de vingança e, principalmente, uma baixa autoestima", alerta o profissional.

O indivíduo também costuma alimentar de forma nociva o sentimento de posse. Nesse caso, é fundamental notar a diferença entre este comportamento sufocante e o zelo. O segundo trata-se de uma experiência saudável e apenas uma maneira de cuidar.

Ciúme sinaliza baixa autoestima e pode detonar relacionamentos

Especialistas acreditam que certos ciúmes exagerados também podem estar ligados ao Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). A doença, entre outros sintomas, faz com que a pessoa sempre acredite que esteja sendo traída e procure constantemente constatar se de fato está certa no que pensa.

Entre familiares, o ciúme também teima em aparecer e estragar o que poderia ser uma troca saudável e, em alguns momentos, permeia a rivalidade e o sentimento de inveja. Tal cenário acontece no relacionamento entre irmãos, por exemplo, que buscam posição de destaque e querem a atenção dos pais. "Esse tipo de comportamento pode surgir por volta dos 4 anos de idade ou até antes, quando a criança se sente ameaçada pela chegada de um novo membro na família", explica Doralice.

Fim do pesadelo

A insegurança e a autoestima negativa são características do ciumento em excesso. O parceiro que sofre com ciúmes do outro pode ser fundamental para amenizar o sentimento esclarecendo o problema, apontando as qualidades da pessoa que a tornaram cativante e cultivando a segurança do casal. Quando as tentativas para amenizar o problema entre os dois não derem certo é preciso tentar enxergar a situação longe do banal e procurar ajuda para conseguir mudanças com terapias.

Segundo Doralice, para que os momentos desgostosos sumam do relacionamento amoroso uma alternativa é a terapia de casal. "Um psicólogo pode fazer uma avaliação subjetiva da pessoa para encontrar maneiras de tratamento e colocar um ponto final ao drama. O terapeuta ajuda os pacientes a se conhecerem melhor", explica. O parceiro ou parceira também pode ajudar neste caso. Entendendo que é uma peça do processo, ele pode perceber quais atitudes aumentam a ciúme do outro e auxiliar na hora de amenizar e até evitar os gatilhos que culminam na crise de ciúmes do parceiro.

Quando a questão é ciúmes, não há o que pensar: " Eu Amo Ter Ciúmes" Esse livro revolucionarás a forma de interpretar, detectar, prevenir, sobressaíres sobre o ciúme. " Eu Amo Ter Ciúmes" é imprescindível… Editora JUVENTUS.

Autoestima interfere na produtividade no trabalho

Excesso de autocrítica e insegurança pode minar sua carreira

Trabalhar é uma atividade que diariamente exige energia emocional, física e mental. No entanto, equilibrar e orquestrar tudo isso não é tão fácil. Um chefe rígido demais, um colega que sabota ideias, a falta de reconhecimento, as fofocas, o salário questionável, entre outros porém, podem minar qualquer ambiente de trabalho.

Se isso acontece, a falta de ânimo aparece. E é neste detalhe que você deve prestar atenção: sua autoestima pode estar abalada. De acordo com o psicólogo e consultor de recursos humanos Marco Ornelas, ela tem influência em tudo que fazemos. "A autoestima reflete o que acreditamos ser. Por isso, o autoconhecimento é de fundamental", diz o profissional.

Autoestima interfere na produtividade no trabalho

Basicamente, isto significa que você deve ser seguro o suficiente para acreditar no seu potencial, respeitar suas limitações e não temer o julgamento dos colegas quando sugerir algo. O processo para atingir uma autoestima elevada, diz o psicólogo, não é fácil, mas também está longe de ser impossível.

Não detone a produtividade

A autoestima está diretamente ligada a produtividade em um ambiente de trabalho. Segundo Marco Ornelas, se ela estiver baixa (ou praticamente nula) você pode prejudicar a sua carreira. "O primeiro sintoma para perceber se a autoestima de um funcionário está abalada é prestar atenção na maneira como ele se comporta diante das tarefas a serem feitas e também na sua relação com os colegas", explica.

Autoestima interfere na produtividade no trabalho

A baixa autoestima no trabalho é sinalizada pela tendência da pessoa a achar que não consegue dar conta das tarefas, pelo modo como ela tende a se anular e esconder e também pela constante insatisfação com resultados das atividades que faz. "Se somar estes sintomas à tristeza que eles provocam naturalmente o funcionário se sentirá pressionado e ficará descontente. É uma bola de neve que culmina em uma produtividade abaixo da esperada por gestores", explica Ornelas.

Como afastar a armadilha

Aumentar a autoestima é um trabalho de formiguinha. Segundo o psicólogo Marco Ornelas, é uma tarefa que, em primeiro lugar, vai exigir uma boa dose de consciência do que realmente está tornando o trabalho um fardo. "Mudanças radicais não são eficientes em longo prazo. É um trabalho gradativo e muitas vezes lento", diz.

O profissional recomenda que as comparações com os colegas que estão em cargos acima sejam evitadas. De acordo com ele, um bom começo para virar o jogo é fazer comparações com funcionários que estão no mesmo nível e condições que as suas.

Cuidar da aparência também é importante. Se sentir bonita aumenta a confiança. Deixar a autocrítica e ter um autoconhecimento mais amplo, diz Ornelas, só aumentam as chances de uma situação desconfortável no trabalho desaparecer.

Mais sobre a Prática de exercícios físicos no combate a baixa autoestima

exercicio de caminhadaPrática de atividades diminui o impacto da ansiedade e da falta de confiança

Praticar exercícios físicos com regularidade faz bem à saúde. A máxima, recomendada por especialistas de diversas áreas médicas, se aplica também à mente: movimentar o corpo também aumenta a autoestima. As atividades físicas são um recurso importante para manter o equilíbrio emocional. De acordo com o psiquiatra Maurício Lima, os efeitos psicológicos são grandes. Alivia o estresse, melhora a memória, diminui a insegurança e a ansiedade. "Praticar exercícios, por si só, é excelente para a saúde do organismo, mas os ganhos de quem deixa o sedentarismo são maiores ainda e geram impactos não só na estética e no bem-estar físico. O sistema nervoso também lucra".

Segundo o especialista, trata-se de um efeito dominó. A saúde melhora e os benefícios se expandem para o restante do corpo. Ao praticar exercícios físicos o fluxo de sangue no cérebro melhora, o nível de substâncias que aumentam a sensação de bem-estar cresce, a capacidade de lidar com problemas como, por exemplo, a insônia, fica maior. "Recuperar a autoestima fica mais fácil. O indivíduo pode extrair uma série de ganhos pessoais e aumentar a qualidade de vida", explica.

Entenda a relação

Além de fatores químicos do cérebro, como o aumento dos níveis de serotonina (neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar) e a melhora do fluxo sanguíneo, se exercitar pode ajudar a resolver e até mesmo eliminar vilões que jogam a autoestima para baixo. A perda de peso, a ansiedade, a falta de segurança, a dificuldade de lidar com as relações pessoais, depressão e a sensação de deslocamento, principais vilões da baixa autoestima, são contidos.

Exercícios físicos e a longevidade

"Com a prática de exercícios uma pessoa resolve problemas emocionais distintos. A dificuldade de se relacionar com outras pessoas, por exemplo, pode ser combatida com atividades em equipe. A falta de confiança em si mesmo diminui com exercícios que exigem desafios. Os problemas de autoimagem e estéticos, como se sentir preterido por estar acima do peso, podem diluir com o gasto de calorias", exemplifica Maurício.

Idosos que começam a perder a coordenação motora e dependente química também se beneficiam na manutenção do bem-estar psíquico. Para manter o corpo bem condicionado e a mente mais saudável e esperta, os exercícios aeróbicos (andar de bicicleta, correr, nadar, caminhar e dançar) são os mais recomendados.

A prática e o surgimento de efeitos na autoestima ressalta Maurício, depende da regularidade. É por isso que manter a disciplina é fundamental para que as mudanças de fato aconteçam. No mínimo, os exercícios devem ser feitos três vezes por semana. A escolha do exercício a ser seguido deve partir do gosto pessoal para que a atividade seja prazerosa.

Prestar atenção a detalhes também é necessário. Algumas atividades, quando praticadas com grande intensidade, podem gerar lesões em pessoas com pré-disposição a determinadas doenças, como no caso dos cardíacos. O acompanhamento de um profissional especializado para conduzir treinos é aconselhado, assim como não ignorar um fator determinante, como a aptidão física para fazer exercícios específicos.

Falta de dinheiro e dívidas abalam a autoestima

Saldo negativo e orçamento apertado são gatilhos que minam a prosperidade

Negligenciar a saúde física e o equilíbrio emocional aumenta a propensão para doenças. No entanto, muitas vezes outro fator pode ter o mesmo potencial destrutivo que a desarmonia do corpo e mente: uma crise nas finanças pessoais. O problema é sério e pode desencadear depressão, ansiedade, aumento ou perda de apetite e, principalmente, um abalo na autoestima, segundo o psicólogo e terapeuta holístico André Lima. "Ter muitas dívidas ou viver sempre em dificuldades financeiras é como ter uma doença e isso precisa ser tratado", diz o profissional.

De acordo com o psicólogo, equilibrar as finanças pessoais depende da autoestima e das crenças que as pessoas têm sobre dinheiro e bens materiais.

"Desconsiderando os fatores externos que não temos como mudar, como os rumos da economia do país, o motor que acelera a prosperidade é interno e se ele estiver bem regulado, certamente o controle sobre gastos será equilibrado", explica. A baixa autoestima pode trazer consequências financeiras negativas.

Os gatilhos para cair nas armadilhas que provocam o saldo bancário negativo são muitos: medo de arriscar, não se sentir competente no trabalho, não assumir responsabilidades sobre a vida e agir por impulso são alguns deles. Estas questões interferem no trabalho e nos negócios.

Os sentimentos conturbados podem fazer com que pessoas não sejam promovidas, por exemplo. A falta de dinheiro abala o estado emocional e geralmente ela o agrava ainda mais em situações difíceis. É neste momento decisivo que a vida exige o máximo de discernimento e controle para resolver um problema. Porém, a demanda é feita justamente quando estado psicológico está debilitado.

Falta de dinheiro e dívidas abalam a autoestima

Causas do abalo financeiro

O ser humano costuma se sabotar em várias situações. Medo e insegurança são os motivadores de ruínas nas finanças. "Emoções negativas podem nos prender ao que traz pouco retorno financeiro e podem estimular gastos", explica André. O mal atinge até mesmo quem tem bons salários. Ter uma vida financeira difícil, em muitos casos, é creditado a fatores como a distorção do papel do dinheiro na vida.

Segundo o especialista, as pessoas tendem a acreditar que sucesso financeiro está relacionado com sorte, azar, em crenças de que o dinheiro é um mal. Diante de argumentos fracos, analisa André, elas se sentem impotentes e repetem o ciclo vicioso que as colocaram no endividamento. "Se associamos o dinheiro a algo negativo, teremos dentro de nós um lado que o desejará bem longe. É um processo inconsciente da mente", avalia.

Prosperidade e planejamento

Enfrentar uma crise financeira pessoal não chega a ser muito diferente do planejamento que empresas e governos fazem para equilibrar o orçamento. O primeiro passo recomendado pelo especialista é não agir impulsivamente.

As compras compulsivas, uma espécie de válvula de escape, devem ser encaradas com seriedade. Se necessário, quebre cartões de crédito, renegocie taxas de juros, encontre uma fonte de renda extra e diminua os supérfluos. Lembre-se que encarar o atoleiro pessoal é tão importante quanto fazer alguns sacrifícios para superar a má fase do orçamento. "Se a iniciativa de quiser resolver as dívidas demorar, as chances de sucesso do plano de ação serão menores", sentencia Lima.

Entenda como a baixa autoestima pode minar sua vida pessoal

Não deixe o bem-estar escapar

Quanto tudo vai bem, irradiamos alegria. É um "bom dia" dado com vontade, um sorriso ao pedir algo, um olhar interessado a quem vem conversar conosco. O empenho no trabalho é bom, as recompensas no amor são maravilhosas e os dias se tornam agradáveis. A sua felicidade reverbera e atinge até mesmo quem passa horas ao seu lado.

Estar de bem com a vida chama a atenção e até provoca uma certa inveja em quem não passa por um momento semelhante. Vivemos momentos de felicidade, e não sua plenitude. Sempre há algo a melhorar, um setor que é uma pedra no sapato. Seja um problema familiar, profissional ou de saúde, substituímos nossas preocupações quase o tempo todo. E aí entra o cuidado para não perder a autoestima.

Perder a autoestima pode acarretar uma série de riscos. O primeiro deles é o de não ter a mesma força de outrora para resolver as questões que se apresentam. De repente aquela pessoa feliz que você era vai se cansando e se deixa abater por críticas, sentimento de culpa, vergonha, medos, insegurança, etc. "Quando estas sensações começam a dominar os pensamentos é possível notar uma queda no rendimento em todos os setores da vida", explica a psicóloga Doralice Lima.

O trabalho rende menos e não dá prazer. Em casa, o convívio familiar se torna um martírio, e a vontade de ficar o tempo todo na cama ou apenas com a TV como companhia aumenta. "O isolamento é sintomático e acontece em efeito dominó. Pode começar com a reclusão e terminar em depressão profunda", alerta a profissional. Ter a mente dominada por pensamentos negativos ajuda a desenvolver doenças. Tente lembrar das vezes que você teve febre, por exemplo. Geralmente ela surge depois quando você está passando por problemas pessoais ou profissionais que te desgastam. É uma forma de o corpo gritar: "Não estou bem, olhe para mim".

Caso a autoestima sofra uma queda e não seja recuperada, pode acontecer do rendimento cair tanto no trabalho a ponto de o chefe resolver que a demissão é a melhor alternativa. Em casa, os parentes percebem o comportamento mais arredio. Os amigos também não entendem que motivo levou aquela pessoa tão querida a não se misturar mais nos eventos que combinavam com tanto prazer. "Em pouco tempo uma vida social e profissional que foi conquistada pode desmoronar", diz a psicóloga.

Há duas formas de encarar os percalços da vida: se fazendo de vítima frente a uma dificuldade ou arregaçando as mangas para resolve-la e seguir adiante. Sempre prefira a segunda alternativa, recomenda a especialista. "Períodos de lamentação são comuns e remoer mágoas é natural. Mas esses momentos devem ser passageiros. A vida pode estagnar caso o comportamento passe a ser movido por rancores", explica a profissional.

Atenção aos sintomas

Claro que ninguém é de ferro, e todos têm o direito de chorar quando se sentem sem forças de dar o próximo passo. Mas esse instante de fraqueza precisa mesmo ser momentâneo e não perpetuado. "Quem chegou aos degraus mais altos de grandes empresas tirou forças para vencer as barreiras que se impunham e para chegar aonde chegaram rejeitaram o rótulo de fracassados que em alguns momentos poderiam ter recebido caso abaixassem a cabeça para as intempéries da vida", exemplifica a terapeuta. Segundo a profissional, encare tudo de frente e pegue a vida com as mãos, ou seja, não esperar por milagres é a forma mais sadia para manter a autoestima fora de perigo.

Saiba por que estar apaixonado pode fazer bem à autoestima

Paixão traz calma, energia, motivação e a sensação de otimismo.

Inspiração de músicas de vários ritmos, gás para o roteiro de grandes produções cinematográficas e forte como um tornado para deixar nossa vida de cabeça para baixo. O sentimento da paixão é suficiente para turbinar qualquer vida morna e ocupar a mente de qualquer mortal. O que poucos sabem é que, quando nosso coração bate mais forte do que de costume, nosso corpo agradece as doses de substâncias que trazem benefícios desde o fio de cabelo até o dedão do pé. Especialistas garantem que a paixão ajuda no bom funcionamento do corpo.

"Diferentes pesquisas mostram que a paixão libera endorfinas, substâncias produzidas pelo cérebro que acionam e estimulam o circuito neuronal do prazer, estimulando o corpo como um todo. Assim, a pele fica mais bonita, a pessoa tem mais vontade de se cuidar, o mundo passa a ater um significado positivo e as situações felizes são mais valorizadas. A paixão traz felicidade e as pesquisas também apontam que ser feliz torna a saúde melhor", diz a doutora em psicologia social Maria Izabel Calil Stamato.

Saiba por que estar apaixonado pode fazer bem à autoestima

No cérebro, a região que rege os nossos sentimentos primitivos, como raiva, alegria e tristeza, recebe mais sangue e os neurotransmissores apresentam atividade mais intensa quando o indivíduo pensa na pessoa por quem está apaixonada e amando.

A paixão traz consigo a calma, tranquilidade, energia, motivação e a sensação de otimismo. Ao longo do envolvimento amoroso, a pessoa também procura cuidar mais de si mesma, desde fazer exercícios, passando pela preocupação com a frequência às visitas ao médico e aos cuidados com a saúde e chegando até a vontade mudar o visual. Uma maneira importante para fortalecer a paixão é o sexo. A combinação de ambos contribui para uma aproximação maior do casal. Além de queimar calorias e fazer bem à saúde, estimula a autoestima de ambos.

Da paixão ao amor

O ser humano passa por um processo delicado durante o relacionamento afetivo. Após alguns meses de paixão, outras regiões do cérebro são estimuladas e um sentimento mais duradouro entra de vez em cena: o amor. Ele é considerado a ligação mais sólida e densa – o que estimula substâncias diferentes no corpo, como a ocitocina nas mulheres e vasopressina nos homens. É o momento que, enfim, encontramos aquele modelo de ser humano que criamos ao longo de nossa vida, segundo diz Maria Izabel.

Cirurgias plásticas podem ajudar a aumentar a autoestima

Obsessão pela beleza e vaidade extrema, porém, são armadilhas perigosas.

Cirurgia plástica é um tema controverso. No Brasil, um dos paraísos mundiais para quem quer fazer correções estéticas – o país só perde para os Estados Unidos -, elas são corriqueiras. Mulheres não hesitam em aumentar ou diminuir o tamanho dos seios, bumbum, eliminar gordurinhas, arrebitar o nariz e remodelar o corpo. "A vaidade extrema é uma armadilha perigosa. Ficar atento ao limite do que vai fazer você ficar melhor consigo mesmo é extremamente necessário. Se isso não for respeitado, a saúde é quem vai sofrer danos", pondera o cirurgião plástico Wagner Montenegro.

De acordo com o profissional, há casos em que os processos cirúrgicos são desnecessários e sinalizam graves problemas de autoimagem, como em situações em que pessoa não aceita o seu corpo.

Cirurgias plásticas podem ajudar a aumentar a autoestima

cirurgia plastica 1No entanto, ele explica que a linha entre o excesso de preocupação com o corpo e as correções que farão bem à autoestima de uma pessoa é tênue. "Crianças com orelhas grandes sofrem durante o período escolar. Os colegas são cruéis com brincadeiras. O impacto pode ser devastador na autoestima delas. A probabilidade é que quando grandes eles se tornem pessoas inseguras e com complexo de inferioridade", exemplifica. Em casos como este, diz o cirurgião, uma cirurgia chamada otoplastia, que reposiciona as orelhas, gera benefícios emocionais evidentes, o que certamente aumentará autoestima.

Montenegro ainda cita exemplos como correção no tamanho do nariz e a retirada de mamas em meninos (ginecomastia) em que um processo cirúrgico pode evitar uma série de problemas emocionais. "Em vários casos uma cirurgia plástica é necessária. E não só para aumentar a autoestima do paciente, mas para ele ter a liberdade e o prazer de gozar de uma vida sem tantos medos e inseguranças", ressalta o profissional.

Armadilhas da vaidade

O apelo à estética pressiona mulheres de diferentes biotipos a seguirem um padrão de beleza que nem sempre pode ser levados à risca. O narcisismo e o culto ao corpo virou uma obsessão mundial. De acordo com Montenegro, os excessos cometidos em nome da boa aparência são exagerados e podem, ao invés de aumentar a autoestima, tornar uma pessoa permanentemente insatisfeita. "Corrigir imperfeições para ficar bem consigo mesmo não é algo condenável. Pelo contrário. Isso deve ser perseguido. Porém, o controle, o bom senso e a responsabilidade estão sendo preteridos neste processo", enfatiza o cirurgião.

De acordo com Montenegro, o excesso de recursos estéticos leva as mulheres a exagerar. "Elas acreditam que tudo pode ser resolvido em uma mesa de cirurgia, quando, na verdade, faz parte do amadurecimento aprender a lidar com sinais da idade", diz.

Os problemas que podem surgir devido à obsessão e a compulsão por intervenções estéticas são grandes. Segundo o profissional, os riscos de uma pessoa que recorre inúmeras vezes ao preenchimento facial, à toxina botulínica (Botox), à rinoplastia, ao lifting, entre outros, é deformar o próprio rosto, tornando as expressões faciais artificiais e extremamente estranhas, como a de bonecos, ou seja, sem vida e sem beleza.

Baixa autoestima e falta de amor próprio provocam ansiedade

Insegurança e pensamentos negativos também podem agravar o problema

A ansiedade é um mal que acompanha gerações há anos. A sensação de desconforto não chega a ser classificada como uma doença, mas sim como um sintoma preocupante que pode culminar em uma série de inconvenientes relacionados à saúde e à vida pessoal. O mal estar é provocado, basicamente, pela insegurança em relação a situações que só vão acontecer no futuro. "Pessoas ansiosas vivem em alerta e sofrem por algo que pode ou não acontecer", define o psicólogo Thiago Sampaio.

Intimamente ligada ao medo – e confundida com ele -, a ansiedade é acionada pelo corpo, especificamente por uma área do cérebro que percebe algum tipo de ameaça ou perigo e, a partir daí, o mecanismo de defesa passa a funcionar. "A principal diferença entre medo e ansiedade é que o primeiro surge em situações de risco imediato, já a segunda não altera a racionalidade e está voltada para o que não aconteceu", explica o profissional.

O sentimento dispara um estado de alerta sensível, quase um radar daquilo que pode ou não afetar a vida. É por isso que uma pessoa ansiosa vive em sobressalto, esperando que algo aconteça. O sentimento é altamente influenciado pela maneira que pensamos. E é neste detalhe que mora o perigo de o transtorno ganhar uma dimensão poderosa para detonar a sua autoestima. "Os sentimentos negativos são como um ímã para a ansiedade e consequentemente para o sofrimento", diz Sampaio.

Identifique a raiz do problema

Os pensamentos negativos e catastróficos podem ser desencadeados por traumas e por insegurança, ambos relacionados também à baixa autoestima. "As pessoas não são ansiosas porque querem. É automático pensar em problemas quando já se passou por situações de medo", pondera o psicólogo. A preocupação exagerada com um futuro que ainda não aconteceu é uma clara demonstração de insegurança.

Baixa autoestima e falta de amor próprio provocam ansiedade

O excesso de pensamentos ruins inevitavelmente gera um ciclo vicioso que tende a esmagar a autoestima do indivíduo. "A ansiedade é um combustível que alimenta a baixa autoestima. Nem sempre ela é negativa, claro, mas uma pessoa que sofre por antecipação está claramente se sentindo em desvantagem diante de uma situação", exemplifica o profissional.

A falta de segurança pode prejudicar ainda a vida pessoal e profissional. Uma pessoa insegura diante de um chefe certamente não será valorizada no trabalho, com isso as frustrações aparecem e ela passa a acreditar que não é boa o suficiente para desempenhar algumas funções. O mesmo, diz o psicólogo, pode acontecer em um relacionamento, quando um dos parceiros trai e o outro descobre. Em casos assim, o trauma pode ser grande e reduzir a autoestima e o amor próprio a níveis baixíssimos.

Como combater o mal

ansiedadeO excesso de informação dos dias atuais leva a humanidade a comparar tudo e todos. "Se somos expostos a corpos esculturais, a vidas glamorosas, rapidamente comparamos com o que somos e o que temos. Em 99% das situações, os indivíduos sentem que está abaixo, o que causa um sentimento natural de inferioridade", contextualiza.

De acordo com Sampaio, brecar as comparações é quase impossível, pois somos guiados por um impulso quase incontrolável. No entanto, ele recomenda que ponderar e reconhecer suas qualidades e talvez até a desigualdade da comparação é uma alternativa para não esmigalhar o amor próprio e manter a autoestima.

Outra dica do profissional é tentar manter a racionalidade e afastar os pensamentos catastróficos. "Acreditar em si é tão fundamental quanto manter um raciocínio lógico diante de qualquer situação da vida", diz. Em casos extremos de ansiedade, que podem se revelar em crises de falta de ar, taquicardia e outros inconvenientes, é necessário procurar ajuda médica ou fazer um tratamento terapêutico com psicólogos.

Ser confiante e racional diante das situações rotineiras garante também o bem-estar e, com isso, menos complexo e inseguranças. "Elevar a autoestima é básico para minimizar o comportamento ansioso", finaliza.

Previna os problemas que abalam a autoestima

Aprenda a lidar com os sinais da idade de forma saudável

Envelhecer faz parte do ciclo da vida. No entanto, esta etapa pode ser encarada como um fardo para muitas mulheres. Além dela interferir visivelmente na aparência física, o corpo sinaliza suas limitações e a saúde, se não foi bem cuidada ao longo dos anos, perde a força, abrindo precedentes para uma série de inconvenientes que abalam não só o organismo, mas a autoestima também. Para ficar atenta a essas transformações provocadas por hormônios que se rebelam e hábitos que não priorizaram a saúde, listamos, com ajuda de especialistas, aspectos que você deve considerar para se manter bela e saudável com o decorrer do tempo.

Alivie os efeitos da menopausa

A menopausa é o período em que a produção de hormônios pelo ovário diminui gradualmente. Nesta fase, a mulher passa por transformações biológicas e psicológicas, segundo a psicóloga Mara Push. "A tendência é que a mulher se sinta insegura quanto a sua beleza, o que normalmente culmina em depressão e baixa autoestima", explica a profissional.

Previna os problemas que abalam a autoestima

Para aliviar o momento há aliados que podem ser incorporados facilmente em sua rotina diária. Além de praticar exercícios, cuidar da mente (seja com ajuda profissional ou atividades que aliviam o estresse) e aprender a gostar de si, os hábitos alimentares contam bastante. De acordo com a ginecologista Maria Helena Bastos, a mulher deve seguir uma dieta rica em soja, pois a leguminosa possui fito estrogênios, substância com ação igual ao estrogênio. Um outro motivo para incorporar a soja ao cardápio é o seu poder de diminuir os sintomas da menopausa, como insônia, dor de cabeça, melancolia e os calorões típicos da fase.

Controle o seu peso

Depois dos 25 anos fica mais fácil ganhar peso e as cruéis gordurinhas passam a ser difíceis de serem eliminadas. "Existe uma diminuição natural do ritmo do metabolismo, o que leva o corpo a gastar menos calorias", explica Maria Helena. Para turbinar e acelerar o metabolismo, que passa a trabalhar de forma mais lenta, as atividades físicas praticadas com regularidade são recomendadas.

Fracionar as refeições também ajuda. O ideal é fazer de cinco a seis refeições por dia, de preferência a cada três horas. Com isso você evita chegar no estágio em que a fome é grande e o controle diante de um prato é menor. Consumir alimentos ricos em fibras pode ajudar na batalha diária contra a balança.

Varizes sob controle

O surgimento dessas veias está associado às alterações hormonais e ao fator genético. Porém, a falta de atividades físicas e o hábito de fumar contribuem para o surgimento do problema. Portanto, é hora de se mexer. Mantendo alguns cuidados diários e um bom acompanhamento especializado em estética vascular é possível conservar suas pernas belas e saudáveis até na terceira idade, de acordo com o angiologista Edson Neves, da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular. O profissional recomenda caminhadas matinais e, claro, uma avaliação médica especializada para tratar as varizes com eficácia e segurança, evitando assim os danos à sua saúde.

Drible a osteoporose

A osteoporose aparece devido a deficiência ou a baixa absorção de cálcio e de vitamina D no organismo. O seu principal dano ao corpo é tornar os ossos mais fracos e sujeitos a fissuras. A nutricionista Juliet Marzalek recomenda um cardápio caprichado em leite e seus derivados, brócolis, couve e gergelim, que são as melhores fontes de minerais responsáveis pelo fortalecimento do esqueleto.

A profissional também indica boas fontes de vitamina D, encontradas na gema do ovo, na carne de fígado e nos peixes de água salgada. A absorção de cálcio também é facilitada com a pratica de atividades físicas e 15 minutos diários de exposição ao sol combinada com protetor solar.

Entenda a relação

Além de fatores químicos do cérebro, como o aumento dos níveis de serotonina (neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar) e a melhora do fluxo sanguíneo, se exercitar pode ajudar a resolver e até mesmo eliminar vilões que jogam a autoestima para baixo. A perda de peso, a ansiedade, a falta de segurança, a dificuldade de lidar com as relações pessoais, depressão e a sensação de deslocamento, principais vilões da baixa autoestima, são contidos.

Exercícios físicos e a longevidade

"Com a prática de exercícios uma pessoa resolve problemas emocionais distintos. A dificuldade de se relacionar com outras pessoas, por exemplo, pode ser combatida com atividades em equipe. A falta de confiança em si mesmo diminui com exercícios que exigem desafios. Os problemas de autoimagem e estéticos, como se sentir preterido por estar acima do peso, podem diluir com o gasto de calorias", exemplifica Maurício.

Idosos que começam a perder a coordenação motora e dependente química também se beneficiam na manutenção do bem-estar psíquico. Para manter o corpo bem condicionado e a mente mais saudável e esperta, os exercícios aeróbicos (andar de bicicleta, correr, nadar, caminhar e dançar) são os mais recomendados.

A prática e o surgimento de efeitos na autoestima ressalta Maurício, depende da regularidade. É por isso que manter a disciplina é fundamental para que as mudanças de fato aconteçam. No mínimo, os exercícios devem ser feitos três vezes por semana. A escolha do exercício a ser seguido deve partir do gosto pessoal para que a atividade seja prazerosa.

Prestar atenção a detalhes também é necessário. Algumas atividades, quando praticadas com grande intensidade, podem gerar lesões em pessoas com pré-disposição a determinadas doenças, como no caso dos cardíacos. O acompanhamento de um profissional especializado para conduzir treinos é aconselhado, assim como não ignorar um fator determinante, como a aptidão física para fazer exercícios específicos.

csonlyzzy forman e for woman

sexxo3

Um remédio que pretenda realmente ajudar aos homens não pode deixar de atuar na ejaculação precoce ou não retardar a ejaculação. Baseada em livros eróticos, filmes e diversas outras fantasias a mulher começa a exigir bem mais do homem. O Homem tem duas saídas:

1- Dá conta do recado e a coloca para dormir

2- É substituído por outra.

Compreensão existe, mas toda mulher quer se sentir desejada; ouvir outras mulheres falar de orgasmos, posições diferentes, horas na cama, exerce um querer que certamente ela cobrará de você. Antes de tudo ela é fêmea e gosta de sexo tão quanto os Homens. Por isso é hora de deixar o preconceito de fora e adquirir CSOnlyzzy For Man® e no caso da mulher encontrar-se sem desejo ou sofrer de frigidez, CSOnlyzzy for Woman®

Funções do CSOnlyzzy® no homem:

1- Aumenta a circulação sanguínea no Pênis (aqui função idêntica ao Viagra, porém sem os efeitos negativos do mesmo).

2- Retarda a ejaculação mantendo o Pênis ereto até que você, por livre e espontânea vontade se permita gozar (ejacular).

sexxo3- Aumenta a energia, disposição e vigor físico masculino, dando-lhe ânimo, combatendo a ansiedade e o stress do cotidiano.

Funções do CSOnlyzzy® na Mulher:

1- Como no homem há regiões erógenas na mulher que respondem bem mais rápido do que sem uma circulação adequada do sangue. Muitas vezes elas estão inativas, o que realmente torna muito difícil a excitação.

2- Não há o retardo do gozo ou Orgasmo feminino, pelo contrário, normalmente a mulher gozará ou terá orgasmos vários durante a relação sexual. Sua libido volta rapidamente, muitas vezes nem a perdendo, preferindo a mesma dar continuação a relação até atingir o orgasmo, o topo, aquele que o seu corpo lhe diz: “ Dá um tempo, ok?)

sexxo23- Aumenta e muito a energia feminina, como supramencionado ela vai passar a ter um desejo sexual muito forte, necessitando está bem fisicamente. Ele também atua como ante estressante e aumenta o vigor físico.

Acompanhando os relatos de quem faz uso do Complexo Sexual, seja para homens ou para mulheres, o ideal seria que ambos tomassem, pois acorre inúmeras vezes o fato de a mulher ou homem ser pego de surpreso pelo aumento da libido sexual. O melhor é que esse aumento é constante, não necessitando ser horas antes da relação e não possuindo efeitos colaterais.

Posologia:

Duas doses do CSOnlyzzy For Man® or For Woman®, respectivamente homem e mulher, pela manhã nos 10 primeiros dias. Após atingir o ápice, basta uma dose do CSOnlyzzy® pela manhã.

O CSOnlyzzy® (For Man® e For Woman®) são contraindicados a pessoas que tenham problemas cardíacos, pois ao excitar-se o coração aumenta os batimentos para a prática do ato sexual. Outro fator prejudicial é o fato do exagero. Pessoas por não terem relações sexuais há muito tempo tendem a exagerar, buscando a autoafirmação.

Composição do CSOnlyzzy for man®: Agnus castus, maca peruana, Ginseng Coreano, Ignatia Amara, Selenim, Damiana, Lycopium, niacina, guaraná, catuaba do para, Extrato de açaí, Tadalafil, Policosanol, Cafeína, Argentun, selênio, Caladiun, Argentum, Ignatia Amara, Damiana, Ginkgo Biloba.

Composição do CSOnlyzzy for woman®: Ginkgo Biloba, cobre, aspartato de arginina, zinco, magnésio, Epeksa, Marapuama, Vitex Agnus Castus, Maná cubiu, alcalóides (teobromina (flor, folha e caule), teofilina e guaranina), ácido cafeotônico, ácido málico, policosanol, tadafil, ácido tânico, cafeína, teofilina, timbonina, xantina,  ácidos oléico, palmíticos, palmitoléico e cianídrico, fósforo, lignina, niacina, proteínas, tanino, vitamina C, B1 e B2.

SEX3Adquira já seu Complexo Sexual Para Homens e/ou Complexo Sexual Para Mulheres

Escreva para:

csonlyzzy@outlook.com

onlyzzy@outlook.com

85 8874-8787

85 9635-0716

85 9915-5599

complexo-sexual-onlyzzy[5]

csonlyzzy@outlook.com

85 8874-8787

85 9635-0716

85 9915-5599

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s